Home » Notícias

Atualizado em 31/01/2013 às 10:10

Produtores se queixam e Agetop cria equipe emergencial para recuperar rodovias de escoamento de safra

Em reunião na sede da Faeg, presidente da Agetop recebeu levantamento dos trechos essenciais ao transporte da safra 2012/13 e que precisam de urgente recuperação


 Um levantamento com 49 trechos de rodovias estaduais goianas que estão em más condições de tráfego - e por onde será escoada a safra de grãos 2012/13 -, foi entregue ao presidente da Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop) por produtores rurais e prefeitos municipais.

 
Durante a reunião realizada na manhã desta quarta-feira (30/01), na sede da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), os produtores puderam expor as condições estruturais de cada trecho e a necessidade de recuperação das vias, antes da chegada do período de pico do escoamento da safra que já começou a ser colhida no estado.
 
O presidente da Agetop, Jayme Rincón anunciou a criação de uma equipe emergencial para cuidar dos trechos apontados pelos produtores e sindicatos rurais (veja lista abaixo). Terão prioridade aqueles que recebem maior volume de cargas que, segundo a Agetop, totalizam 932 quilômetros de vias que estão em péssimo estado.
 
Rincón explicou aos produtores que para 2013, no cronograma do Programa Rodovida, está previsto a recuperação de 2.119 quilômetros e em 2014 serão mais 1.600 quilômetros. No estado, há 10 mil quilômetros de estradas não pavimentadas e, segundo Rincón, serão pavimentados 2,4 mil quilômetros com recursos provenientes do BNDES.
 
Para o presidente da Faeg, José Mário Schreiner, o importante, no momento, é que os trechos mais demandados pela safra estejam remediados antes do fim de fevereiro, quando o tráfego de caminhões carregados de grãos aumenta nas rodovias goianas.
 
Impacto nos custos
Segundo José Mário, Goiás terá, mais uma vez, uma safra recorde, com resultados próximos a 18 milhões de toneladas de grãos. Apesar disso, o produtor já começa a contabilizar prejuízos causados pela falta de chuvas durante fases importantes do desenvolvimento das lavouras e ataque de lagartas. “Não podemos acumular mais prejuízos. Estradas em má conservação comprometem o escoamento da safra e encarecem os custos do frete. Se o Estado não conseguir ”.
 
Dados da gerência de estudos técnicos e econômicos da Faeg revelam que na safra passada, o setor produtivo agropecuário contabilizou um prejuízo em torno de R$ 75 milhões provenientes de estradas em mau estado de conservação; o que representou 0,5% da produção de grãos.
 
José Mário relembrou também que a safra 2012/13, também será impactada pela recém-instituída Lei do Caminhoneiro que estabelece carga horária máxima de trabalho dos profissionais do transporte. “É extremamente justo o reconhecimento da carga horária dos caminhoneiros, mas estimamos que essa nova determinação irá onerar em cerca de 20% o custo com o frete”, disse.
 
O presidente da Faeg reforçou à Agetop que os produtores continuarão a desempenhar o papel de fiscais das obras, assumido desde que o governo lançou o Fundo dos Transportes e os programas de reconstrução e recuperação das estradas estaduais. “Os sindicatos rurais vão manter atualizados os levantamentos que serão repassados periodicamente à Agetop. Da mesma forma com que já estamos fazendo. O importante é manter o órgão informado dos trechos urgentes e negociar a agilidade na conclusão do serviço”, explicou o presidente da Faeg. (Texto e fotos: Francila Calica - Gerência de Comunicação do Sistema FAEG/SENAR)
 
 
Trechos mapeados
 
Região de Arenópolis
GO-475 (trecho que liga Arenópolis a Palestina de Goiás)
GO-471 (trecho que liga Arenópolis ao Distrito de Campos Verdes)
 
Região de Britânia e Aruanã
GO-173 (trecho que liga Britânia a Aruanã) – Necessita de recapeamento
GO-070 (trecho que liga Goiás a Itapirapuã) – Necessita de recapeamento
 
 
Região de Cabeceiras
GO-346 – 14 km sem pavimentação ligando Cabeceiras a Unaí (MG).
 
Região de Fazenda Nova
GO-173 - Necessita de cascalhamento, levantamento de leito, alargamento da via, construção de pontes e bueiros.
GO-423 (trecho que liga Fazenda Nova a Jussara) – Necessita de recapeamento e sinalização.
 
Região de Indiara
GO-320 – Necessita de recapeamento.
 
Região de Ipameri
GO-406 – Liga Ipameri a Corumbaíba – Necessita de recapeamento
GO-213 – Liga Ipameri a Campo Alegre de Goiás – Necessita de recapeamento
GO-307 – Liga Ipameri a Cristalina – Necessita de recapeamento
 
Região de Iporá e Diorama
GO-174 (trecho que liga Diorama a Montes Claros de Goiás) – Sem pavimentação.
GO-320 (trecho que liga Iporá a Ivolândia) – Sem pavimentação.
GO- 060 (trecho que liga Iporá a Goiânia) – Necessita de recapeamento.
 
Região de Itapirapuã
GO-070 – (trecho que liga Itapirapuã a Goiás) – Necessita de recapeamento.
 
Região Jataí
Todas as rodovias abaixo não são pavimentadas:
GO-178
GO-184
GO-180
GO-456
GO-206
GO-050
 
Região de Leopoldo de Bulhões
GO-330 - Necessita de recapeamento.
GO-010 - Necessita de recapeamento.
 
Região de Minaçu
GO-241 (trecho que liga Santa Tereza a Minaçu) – Necessita de recapeamento.
GO-132 (trechos que ligam Minaçu a Colinas do Sul e Minaçu a Palmeirópolis) – Sem pavimentação.
 
Região de Mineiros
Todos os trechos baixo precisam de manutenção:
GO-220 – Trecho que liga Portelândia a Perolândia.
GO-341 – Trecho que liga à BR-364.
GO-194 – Trecho liga Portelândia a Matrinchã.
GO-306 – Trecho que liga mineiros a Chapadão do Céu.
 
Região de Paraúna e São João da Paraúna
GO-333 (trecho que liga Jandaia a Rio Verde) – Necessita de recapeamento.
GO-164 (trecho que liga Paraúna a Firminópolis) – Necessita de recapeamento.
GO-411 (trecho que liga Paraúna a Amorinóplis – passando por Formosinho) – Necessita de recapeamento.
GO-444 (trecho que liga Paraúna a Amorinópolis – passando pela empresa PIF PAF) – Necessita de recapeamento.
 
Região de Piracanjuba
GO-217 (trecho que liga Piracanjuba à BR-153) – Necessita de recapeamento.
GO-147 (trecho que liga Piracanjuba a Morrinhos) – necessita de recapeamento.
GO-450 (Estrada vicinal que liga Piracanjuba a Cristianópolis) – Trecho sem pavimentação.
 
Região de Piranhas
GO-188 (trecho que liga Doverlândia a Campos Verdes) – necessita de cascalhamento, construção de pontes e levantamento do leito.
 
Região de Quirinópolis e Gouvelândia
GO-319 – (trecho que liga o povoado de Denislópolis a Castelândia) – Sem pavimentação.
 
Região de Rio Verde
GO 174 - Não pavimentada. Necessita de reforço e cascalhamento em 15 KM.
Anel Viário Ligação GO-174 a BR 060 - Necessita de intervenção tapa buraco.
GO 174 – (Rio Verde a Motividiu) - Tapa Buracos Pontuais e reforma de cabeças de pontes. Roçagem e limpeza de calhas.
GO 333 – Conclusão das Obras.
GO 210 – Bom estado, roçagem e limpeza de calhas.
 
Região de Rubiataba
Trechos de GO que ligam:
Rubiataba a Nova América - Necessita de recapeamento.
Rubiataba a Morro Agudo de Goiás - Sem pavimentação.
Carmo do Rio Verde a Uruana - Necessita de recapeamento.
Nova América a Mozarlândia - Necessita de conclusão da pavimentação.
São Patrício a Itapuranga - 14 km sem pavimentação.
Nova América a Crixás - Sem pavimentação.
 
Região de Serranópolis

GO-306 (liga Serranópolis a Zona de São José) – Necessita de recapeamento e levantamento do leito.

 

Fonte: www.faeg.com.br     Autor FRANCILA CALICA AVELAR DE CASTRO


Compartilhe:


Mais sobre Notícias:



Páginas: 123


Home | A Região | Aprova | Projetos | Eventos | Associados | Notícias | Artigos | Classificados | Galeria de fotos | Vídeos | Parceiros | Fale Conosco
   © 2017 - Associação dos Produtores do Vale do Araguaia | Todos os direitos Reservados. Produzido por Web Criações