Home » Artigos

Atualizado em 06/03/2014 às 09:09

NOTÍCIAS DO FRONT - "A arroba nos períodos A.C. e D.C."

A pecuária Goiana e Brasileira em uma visão de curto, médio e longo prazo, escrita por quem a vive e precisa de repostas imediatas (Edição de 02/MAR/14 a 08/MAR/14)


 Ao “exército de iguais”,

 

As letras “AC” e “DC” tem vários significados:

- para os religiosos, antes e depois de Cristo;

- para os eletricistas, as letras remetem a corrente alternada/corrente contínua;

- para os amantes do rock, a sigla remete à banda Australiana “ACDC”, formada em 1973;

E para o bovino, o que seria A.C. e D.C.? Vamos ver abaixo.

 

1)      COMO ESTÁ O NOSSO TETO (SP/MS)?

Pouca coisa mudou em termos de escala. Tecnicamente o “DIA D DAS ESCALAS” é o sábado, dia 08/mar, pois as escalas em SP/MS estão entre a quinta (06/mar) e a terça (11/mar). Para os desavisados, isto dá a falsa impressão de que a “coisa andou”, mas não se pode esquecer dos feriados de “Carneval”, e tirando os dois dias sem abate, o “DIA D” dia D correto seria a quinta. Em suma, saímos da base de “quarta” na semana passada para “quinta”, nesta semana…

Desta forma, no físico, o índice Esalq/BMF saiu de R$ 119,28 av (variando de R$ 116 a R$122) e chegou em R$ 120,43 av (variando de R$ 118 a R$122) na semana passada. Existem negócios pontuais a R$ 123av, o máximo preço do mercado atualmente.

Pelos lados do MS, houve correção consistente e os preços estão entre o R$ 115 a R$ 116, sendo vistos nas condições de “à vista” até “à prazo”, dependendo da necessidade da planta.

Alteramos agora o BEEFRADAR para: “estabilidade(50%)/alta leve (50%)”, afinal de contas, completamos a 6ª semana seguida de alta da arroba.

 

2)      E AQUI, NA TERRA DO PEQUI?

A melhora de preços iniciada na semana passada continuou em curso no mercado físico, pois saímos de R$ 105av x R$ 107ap e chegamos em R$ 107av x R$ 109ap, com ágio EU adicional de +R$ 2/@ e sobre preço de até R$ 1 nas condições acima.

O melhor preço do mercado físico é apontado pelo CEPEA como R$ 111/@, ap. Em termos de escala, o estado ficou um pouco mais próximo da condição de SP/MS, mas a coisa não está nada fácil aqui também. Mesmo com feriados de “Carneval”, a referência está entre quinta (06/mar) e segunda (10/mar), configurando o DIA D DAS ESCALAS como a SEXTA, dia 07/mar. Moralmente, pelos feriados, o correto seria a quarta.

O diferencial de base do boi de GO x SP que continua estabilizou perto de -R$ 12/@, o que talvez possa ser considerado uma boa notícia, pois parou de afundar, pelo menos. Da mesma forma, o diferencial de vaca GO x boi GO segue estável, perto dos -7%.

Deixamos o BEEFRADAR em função do exposto para: “estabilidade(50%)/alta leve (50%)”.

 

3)      HORA DO QUILO:

A quase unânime expectativa do mercado para uma boa perspectiva de preço das commodities em função da recuperação econômica dos países externos é quebrada pela opinião abaixo. Veja os 3 vídeos da entrevista ao Canal Rural, que falam de várias coisas, inclusive de eleição. Interessante o contraponto citado pelo Ricardo Amorim:

http://ricamconsultoria.com.br/news/

 

4)      O LADO “B” DO BOI:

4.1. A semana dourada da cadeia bovina

Na última semana de fevereiro, ficou tudo nas máximas nominais históricas. Vejam:

- reposição: recorde nominal do preço do bezerro na BMF (R$ 919,12/cab, base MS); Em GO, recorde nominal também da praça de Goiânia para o bezerro (R$ 881,10/cab); Em GO, recorde de preço do boi magro em Goiânia (R$ 1.300,00/cab);

- boi gordo: recorde nominal da história em SP, R$ 120,45/@ av e R$ 121,20/@ ap; Em GO, idem, R$ 110,50/@ ap;

- carne (atacado): recorde nominal da história, R$ 7,94/kg da carcaça casada. Tal qual foi dito aqui na semana passada, não era hora da carne cair. Vejam um açougue do Centro de Goiânia, no sábado no início da manhã. A foto em anexo fala por si. Entenderam porque chamei o “carnaval” de “carneval”?

20140301_092413

4.2. Saiu o PIB 2013

E veio acima da maioria das expectativas do mercado: 2,3%. Destaque para o agronegócio que apontou 7% de incremento, novamente “salvando a pátria”. Depois do “mar de pessimismo”, acabou aparecendo um número “melhor do que a encomenda”, e principalmente com uma qualidade de crescimento um tanto melhor, visto o forte crescimento em capital fixo (máquinas).

Apesar de os 2,3% ainda estarem abaixo da média de 5 anos (3,22% entre 2008 e 2012), o índice estanca um pouco o pessimismo para o PIB de 2014, cujo valor ainda é previsto pelo mercado em valores abaixo dos 2% (perto de 1,7%).

Para 2014, o agronegócio dificilmente conseguirá manter a marca dos 7%, afinal de contas, a base de crescimento será mais alta. Além disto, o clima anormal de 2014 (para os leitores assíduos, “o nosso primo rico “Pedrão”) dificultará ainda mais a “peleja”, contribuindo para o aumento dos custos. Vamos ver.

4.3. Bovino A.C e Bovino D.C.

Eletricistas e roqueiros à parte, o “A.C / D.C.” do bovino aponta para um mistério. Esta semana rodando pelos boitéis do estado de GO, vimos que ninguém é capaz de te dar o custo das diárias do segundo giro do confinamento 2014. Ou seja, bois que são abatidos a partir de julho/2014.

A dupla sertaneja “SP/PR seco & MT molhado” fez estragos em outra dupla, a “soja & milho”. A soja sofreu com seca no centro-sul na hora de nascer e com excesso de água na hora de ser colhida no MT. O futuro da safrinha, que define o panorama do preço do milho/sorgo, está incerto. Tão incerto que quem vende diária não quer se arriscar. Não há preço para o trato do boi gordo de cocho do segundo semestre. Portanto, não como se prever com total certeza absolutamente nada.

Ou seja, o bovino A.C. (boi gordo antes da copa) foi difícil de ser encontrado. E o boi gordo D.C. (boi gordo depois da copa), ninguém sabe ainda.

O máximo que dá para saber é que o bovino A.C. (boi gordo antes do carnaval) e boi gordo D.C. (depois do carnaval), bem no curto prazo, está e estará complicado por ora.

Novamente ressaltamos: neste cenário, em que tudo pode acontecer, o que dá para você saber é o seu custo de produção e sua margem desejável. Esta certeza ninguém te tira. A não ser uma gestão deficitária aliado a um desconhecimento das ferramentas de fixação de preços futuras via BMF…

Bom “Carneval” e até o próximo texto, se assim Deus permitir…

 
rodrigo albuquerque
Compartilhe:


Mais sobre Links:



Páginas: 12


Home | A Região | Aprova | Projetos | Eventos | Associados | Notícias | Artigos | Classificados | Galeria de fotos | Vídeos | Parceiros | Fale Conosco
   © 2017 - Associação dos Produtores do Vale do Araguaia | Todos os direitos Reservados. Produzido por Web Criações