Home » Artigos

Atualizado em 12/03/2013 às 08:08

NOTÍCIAS DO FRONT – “Quem está comendo o miolo do nosso filé?”

Companheiros da Trincheira Bovina, Para estimular o pensamento: quem gosta de futebol, gostando ou não do time do Barcelona, não se pode negar o que ele conquistou de uns 3 anos para cá. Uma enormidade! Mas agora… Perdeu 3 partidas em poucos dias… E ainda 2 delas para o maior rival (Real Madrid), sendo uma delas com time misto do Real… quer dizer que o , até então, “time invencível” também tem as suas crises??


 NOTÍCIAS DO FRONT – “Quem está comendo o miolo do nosso filé?”

A pecuária Goiana e Brasileira numa visão de curto, médio e longo prazos,

por quem a vive e precisa de repostas imediatas (Edição de 03/mar/13 a 09/mar/13)

 

Companheiros da Trincheira Bovina,

Para estimular o pensamento: quem gosta de futebol, gostando ou não do time do Barcelona, não se pode negar o que ele conquistou de uns 3 anos para cá. Uma enormidade! Mas agora… Perdeu 3 partidas em poucos dias… E ainda 2 delas para o maior rival (Real Madrid), sendo uma delas com time misto do Real… quer dizer que o , até então, “time invencível” também tem as suas crises??

Frase inspiradora do dia: “O sucesso é um acidente de percurso… mantenha a humildade porque você não sabe como será o amanhã” (Chico Anisio)

 

Como está o nosso teto (SP/MS)?

Do lado da oferta, está difícil achar boi gordo em volume nos estados de SP e MS.

Na ponta compradora, vimos esta semana a intensificação da pressão com objetivo de reduzir preços.

Foi muito pequena a quantidade de negócios efetivados no final da última semana. Em função disto talvez, o indicador cedeu quase R$1, fechando a última sexta em R$ 97,46/@ av em SP.

O “pai da criança” para esta queda foi a ausência do boi de 3 dígitos no intervalo de negociação à vista, que passou a ser de R$ 96 a R$ 99.

Resta saber se é apenas uma variação pontual ou se nos mostra uma nova tendência. Ainda duvidamos desta possibilidade. Mas, olho atento. Sempre alerta nesta ronda!

Obs.: incluímos aqui nesta seção a partir de agora o MS. A estrutura do teto do boi do Brasil é o estado de SP, mas as telhas são o MS… Deu para entender? Não dá para falar de telhado sem comentar sobre as telhas!

 

E aqui, na terra do pequi???

A “briga de foice no escuro” também prevalece aqui. A oferta de fêmeas ainda é muito alta. Também não podemos dizer que tem boi gordo “a rodo” por aqui.

Quanto a escala, ela está entre 3 a 5d úteis entre o dia da ligação e o dia do abate. Realmente já foi mais curta, mas também não está “as mil maravilhas” que alguns desavisados acreditam.

Nesta história toda, quase nada de alteração. Acreditamos ser mais comum o boi de R$ 87av x R$ 89 ap em temos de balcão. Lembrando que existem negócios R$1 acima disto, pois vendemos bois neste preço.

Situação inalterada de ágio para o boi EU, ou seja, R$2/@ adicionais.

A pressão de SP que frigo faz sobre a arroba acontece aqui também.

 

Hora do quilo (para “refrescar a cuca”)

“Pelo preço de uma Ferrari no Brasil, em Nova York você compraria a Ferrari, um helicóptero, um apartamento e ainda teria um troco” (Ricardo Amorim).

Comentário: já ouviu falar de “custo Brasil”. Um belo exemplo. Não que a Ferrari tenha que baratear aqui, mas este preço exorbitante, que é fruto de péssima administração do governo sobre o setor produtivo (impostos, leis), impacta a Ferrari que talvez você não compre, mas também impacta tudo o que a gente compra como qualquer cidadão normal e mortal, desta mesma forma… De grão em grão, a galinha “esvazia o nosso bolso”…

 

E o dia de amanhã?

Primeiro, pode me chamar de teimoso. Mas acredito que teimoso mesmo é quem teima comigo. Continuo afirmando que tenho 3 certezas neste momento no mercado do boi gordo:

  1. oferta não é grande de machos para abate, de maneira geral;
  2. oferta é abundante de fêmeas para abate, de maneira geral;
  3. o mercado interno da carne está tirando o sono de dono de frigorífico;

Segundo, esta semana saíram números importantes. O primeiro é que o abate está em alta. Desde o ano passado está em alta. Em jan/13, abatemos 13% a mais de animais via serviço de inspeção federal (SIF) que jan/12. A “salvação da lavoura” é que esta carne foi escoada com a ajuda da exportação, que foi 43% maior em jan/13 ante jan/12. O resto tem que ser jogado no mercado interno mesmo. Ajudando a complicar a coisa.

Agora, uma coisa que eu não entendo. Todas (sem exceção) as plantas que tenho relacionamento estão abatendo menos animais do que podem e do que abatiam antigamente. Imagina se houvesse “abate cheio”… Credo!

Terceiro, esta semana, duas fontes de informação que eu considero muito, que são o Beefpoint e a Carta Pecuária, expuseram fatos que preocupam.

O primeiro, do Beefpoint, eu já tinha visto aqui nos meus raciocínios, mas que tinha receio de achar que poderiam ser verdade. Ele é bem resumido pelo seu próprio título: “comparando com o ciclo passado, ainda teríamos alguns anos de queda”. Terrível, mas o passado nos mostra isto mesmo. Para quem quer conferir: http://www.beefpoint.com.br/cadeia-produtiva/giro-do-boi/ciclo-pecuario-comparando-com-o-ciclo-passado-ainda-teriamos-alguns-anos-de-queda/?&utm_campaign=semanal&utm_source=newsletter&utm_medium=email

A outra informação, da Carta Pecuária, mostra que o abate de fêmeas ainda pode influenciar em maior medida o preço do boi, pois não atingiu 10% de variação em relação ao ano anterior: http://www.beefpoint.com.br/cadeia-produtiva/abate-de-femeas-atual-ainda-nao-influencia-o-preco-do-boi-gordo/

Bom, para mim, de janeiro para cá, o excesso de abate de vacas está sendo responsável pelo diferencial de base extremamente aberto entre SP e GO. Deixou de ser raro ver 50% ou mais da escala de abate de um frigorífico ser atendida por fêmeas, aqui em GO neste ano. Neste nível, certamente a influência é grande, pelo menos por aqui em GO, agora, se pode ser maior ainda… É preocupante mesmo!

Não podemos esquecer que SP tem hoje o preço de arroba bem alinhado com o preço do mês padrão da entressafra do ano passado (outubro). E aqui estamos entre 8 e 10% abaixo deste preço. E isto não é porque há muito boi de pasto, pois “pasto não tem no GO”. Este ano, “pasto vai valer mais do que boi”, como diz o Armélio Martins, nosso agrônomo.

E outra coisa: esta enormidade de picanha de vaca? Será que o nosso consumidor do mercado interno tolera isto? Certamente este problema de preço interno da carne patinando é parcialmente explicado por isto.

Quarto, falando em números/fatos ruins, esta semana saiu o pífio crescimento de 0,9% do PIB de 2012. Nem vamos fazer comentários. Os economistas de plantão já falaram o suficiente. Vou resumir assim: “pena que o exemplo do Papa não seja seguido pelo nosso Ministro Mantega…”

Quinto, esta questão do mercado interno é o cerne do momento atual do boi gordo. Cerca de 20 a 25% do que produzimos é exportado, graças a Deus, diga-se de passagem. Mas de toda a forma, a grosso modo, 80% fica por aqui. A maior parte. E este é o grande problema hoje.

A nossa economia é como um carro com o motor “fumando”, como bem disse um companheiro de twitter, @caiojfneto. Com o mercado interno “fumando”, a engrenagem emperra, a carne não decola e a consequência é a margem de frigorífico em queda livre, da mesma forma que o Barcelona neste último mês.

E aí, como o frigo costuma resolver este problema? Ele está com margem em queda livre e nestes casos, o para-quedas comumente usado (derrubar os preços do boi gordo) pelos nossos oponentes engastalhou. Em que pese a insistência deles em fazer este para-quedas abrir, isto ainda não surtiu muito efeito sobre a arroba do boi, pois como afirmamos (teimosamente) acima, a liquidez do mercado físico do boi gordo é baixa.

Eles (frigos) estão puxando a cordinha para abrir o paraquedas com toda a força, resta-nos aguardar para vermos se vai abrir mesmo… Com isto, os meses de janeiro e fevereiro foram muito “melhores do que a encomenda”, tomando como base o nosso teto (SP/MS) em termos de arroba. Mas não se esqueçam do que o Chico Anisio nos ensinou…

Por isto tudo, dois pensamentos colocados no twitter pelos “ativos recrutas” abaixo, resumem o mercado do boi gordo em 2013 até agora: encruzilhada total!

Vou reproduzi-los a seguir, de maneira adaptada:

  1. @gustavo_Fig: em 2012 a pergunta era em que mês o boi ia subir. Em 2013 é que mês que o boi vai cair…
  2. @caicara_juti: quer o boi queira subir, quer queira cair, ele está muito longe de onde pode ir…

Sexto, esta semana estava pensando: pecuarista tem a sua margem esmagada anos (ou décadas) a fio, como uma enormidade de analistas mostram. Os frigoríficos parecem estar querendo ingressar neste nosso “seleto clube das margens pequenas”, do qual somos “sócios-fundadores”. Pelo menos, nos últimos 2 meses, estão “nos visitando com mais frequência”…

Enquanto isto, ao ver a minha carteira de ações (sou um micro-micro investidor via homebroker), notei que comprei ações do Pão de Açúcar (PCAR4) por pouco mais de R$ 60 no finalzinho de 2011 e me assustei ao ver a tela do computador no final desta semana: elas bateram os R$ 100. Foi uma rentabilidade de mais de 3% ao mês de lá para cá, considerando o meu sistema de análise. E olha que neste período todo houve algumas confusões de grande calibre com o alto escalão desta empresa… Nem isto fez o mercado desvalorizar esta empresa, símbolo do varejo. E a BMF só valoriza empresas de bom desempenho financeiro.

Por sinal, se eles estão indo bem, certamente tem na carne uma fatia importante de seu faturamento e como um dos principais atrativos de clientes. Não é a toa que nas propagandas de horário nobre da Globo aqui em Goiânia, as duas maiores redes colocaram o contra-filé como protagonista do comercial desta sexta-feira.

Tudo bem. Ganhei dinheiro na bolsa com as ações, pois a empresa acima é a minha maior aposta. Mas, o fato, para mim, é uma pista inquestionável: será que não ficamos aqui no “Front”, guerreando infindavelmente e enquanto isto, alguém come o miolo do nosso filé, bem “debaixo de nossas barbas”, no melhor estilo “come-quieto mineirinho”?

 


 Méd.Vet. Rodrigo Albuquerque - CRMV-GO 04872

Contatos via Twitter: @fazendaburitis

ESPÍRITO DA APROVA: Farms here, forests here, and #boigordo here! Yes, we can!


“publicado também no site www.beefpoint.com.br”

rodrigo albuquerque
Compartilhe:


Mais sobre Links:



Páginas: 12


Home | A Região | Aprova | Projetos | Eventos | Associados | Notícias | Artigos | Classificados | Galeria de fotos | Vídeos | Parceiros | Fale Conosco
   © 2017 - Associação dos Produtores do Vale do Araguaia | Todos os direitos Reservados. Produzido por Web Criações